A História da Casa

No alto de uma das ruas mais calmas e arborizadas do Jardim Botânico, está a residência Brando Barbosa, onde será a edição de 30 anos da CASACOR Rio. A casa, por si só, já vale o passeio. Mas a história de sua construção torna tudo ainda mais interessante. Afinal, todo seu esplendor é resultado da bela história de amor que uniu seus antigos proprietários: o casal Jorge e Odaléa Brando Barbosa.

Os dois se conheceram em 25 de março de 1945, em Copacabana. Ela, aos 17, morava com a mãe e a avó no bairro, e havia saído para passear com sua cadelinha. Aos 25, Jorge vagava pela rua procurando um endereço inexistente – resultado de um trote feito por conhecidos. No dia seguinte ao primeiro encontro, Jorge foi à praia em frente à rua da moça esperando encontrá-la novamente por lá. E não é que deu certo? Onze meses depois – um noivado considerado rápido para a época – os dois se casaram na Igreja da Candelária.

Em 1964, o casal começa a construção de seu palacete rosa. Um presente de Jorge para Odaléa com muitos detalhes da arquitetura barroca e obras de arte sacra, que ela tanto admirava e ele adquiria em leilões, igrejas, conventos e fazendas prestes a serem demolidas. Foram seis anos de trabalhos. Cada detalhe foi idealizado por Jorge, que era engenheiro, de ofício, e arquiteto-restaurador, por prática. Mas, acompanhado pelo arquiteto Mario Freire, que assina a construção.

Na época, artistas portugueses foram contratados para executar serviços de cantaria e assentar os revestimentos. Jorge comprou dois navios de mármore de Carrara e contratou artesãos que trataram o material por alguns anos. Depois, criou os desenhos geométricos que hoje formam o piso do palacete. Enquanto isso, Odaléa passeava com uma afilhada de casamento para encontrar as mudinhas que fariam parte do jardim. Em um dos nove volumes de seus diários, ela conta: “Acho que tenho dedos verdes. Tudo o que planto, nasce com muita facilidade e rapidez. Deve ser o amor que coloco ao plantar. É meu hobby favorito”.

Depois de pronto, o palacete virou reduto da alta sociedade carioca. Aos domingos, Jorge e Odaléa costumavam abrir as portas da mansão para receber convidados em almoços e festas. Além de ser palco para o romance dos dois, a residência foi visitada por personalidades como o casal Kubitschek, o comediante Agildo Ribeiro, entre outros.

Em junho de 2002, Jorge faleceu deixando a propriedade para Odaléa. Sem filhos, o casal já havia planejado o futuro da propriedade: uma fundação de arte. Sonho que começou a se tornar realidade em 2015 quando, ainda em vida, Odaléa doou a propriedade e todo seu acervo para o Museu de Arte Sacra de São Paulo. Após a CASACOR Rio, o local passa a abrigar o Instituto Brando Barbosa.

A CASACOR Rio de Janeiro acontece de 02 de março a 25 de abril e conta com a participação de 57 profissionais, entre arquitetos, designers de interiores e paisagistas. Serão 38 espaços montados na Residência Brando Barbosa. Pela primeira vez, a mostra será híbrida, com uma versão presencial e uma versão digital, com vídeos e tours 3D que ficarão disponíveis aqui mesmo no site!