Rio Cultural

O final de semana está batendo na nossa porta e o A Cor da Casa preparou dicas culturais para quem não quer passar o sábado e o domingo em branco. 

O Instituto Moreira Salles está com uma exposição sobre Maureen Bisilliat em cartaz. Eles destacam livros da fotógrafa em que suas imagens dialogam com a obra de grandes escritores da literatura nacional: João Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Euclides da Cunha, João Cabral de Melo Neto, Adélia Prado, Jorge Amado, Ariano Suassuna, Mário de Andrade e Jorge de Lima. São autores que, como ela, oferecem visões incontornáveis da alma brasileira. Leitora perspicaz e curiosa, Bisilliat parece discordar do clichê de que uma imagem vale mais do que mil palavras: “Minhas fotografias”, costuma dizer, “só ficam completas com o texto”.

A exposição fica em cartaz até 23 de fevereiro no IMS Rio: Rua Marquês de São Vicente, 476 – Gávea, Rio de Janeiro/RJ

Já o Museu de Arte do Rio (MAR), está com a exposição recém-inaugurada “Rua!” em cartaz.Ocupando uma sala do pavilhão, a mostra coletiva reúne cerca de 80 obras, entre fotografias, vídeos, grafites e esculturas – de artistas como Carlos Vergara, Evandro Teixeira, Paula Trope, Guga Ferraz, Tiago Sant’Ana e Tia Lúcia, entre outros – que integram a Coleção MAR, além de cinco grafiteiros convidados para criarem trabalhos especialmente para a mostra – Panmela Castro, Cruz, Rack, Ramo Negro e Coletivo I love MP. 

Carlos Vergara, “O Fascista” (1962)

A exposição fica em cartaz até abril no MAR, que fica na Praça Mauá, Centro.

E neste domingo, inaugura a exposição “Instituto dos Arquitetos do Brasil – rumo ao centenário” no Museu de Belas Artes. A expo conta uma parte da trajetória da arquitetura no Brasil. Os organizadores buscaram revisitar os percursos vividos, com uma grande linha do tempo lembrando alguns dos incontáveis fatos marcantes que configuram a história da instituição, com suas lutas históricas por cidades mais democráticas, mais inclusivas, mais justas, mais vibrantes e mais humanas e por espaços da vida cotidiana digna e plural. Ao final da linha do tempo, suportes digitais dão espaço de fala àqueles que farão nossas cidades de amanhã, com seus sonhos, seus desejos e suas bandeiras. A mostra reúne obras de Le Corbusier, Ubi Bava, e Cândido Portinari, entre outras,  pertencentes à coleção do MNBA, além de acervos diversos. 

 Ilustração para a conferência: “O prolongamento dos serviços públicos”, 1936, de Charles Le Corbusier

A exposição fica em cartaz até março no Museu de Belas Artes – que fica na Avenida Rio Branco, 199 – Centro.

Por último vamos ao CCBB, porque esta é a última chance de visitar a exposição “Egito Antigo – do cotidiano à eternidade”. Em comemoração aos 30 anos do Centro Cultural, o museu uma exposição inédita sobre o Egito Antigo, considerado uma das maiores civilizações da história da humanidade. Por meio de um amplo panorama sobre o cotidiano, a religiosidade e os costumes ligados à crença na eternidade, o recorte reúne esculturas, pinturas, objetos, sarcófagos e até uma múmia, vindos do Museu Egípcio de Turim, segundo maior acervo egípcio do mundo, além de instalações cenográficas e interativas que permitem uma viagem ao tempo dos faraós.

O CCBB Rio fica na R. Primeiro de Março, 66 – Centro, e esse é o último final de semana para ver “Egito Antigo”.