Circuito Paralelo

A programação cultural do Rio de Janeiro está fervendo. Além da CASACOR Rio  – que infelizmente está nas últimas semanas – hoje é o Preview da ArtRio na Marina da Glória e a cidade está repleta de exposições e programações paralelas à feira. O MAM Rio é um dos points desse off-feira, com duas exposições quentíssimas em cartaz: “Zanine 100 anos – Forma e Resistência” e “Carlos Vergara – Prospectiva”. Ambas foram inauguradas no último sábado e estão imperdíveis. 

“Carlos Vergara – Prospectiva”, que percorre a produção do celebrado artista, desde 2003 até obras recentes e inéditas, como as pinturas em grande formato – as maiores já realizadas por ele – a partir de monotipias feitas no Cais do Valongo e nos trilhos do bonde em Santa Teresa, bairro carioca onde mantém seu ateliê, no Rio de Janeiro.  

foto: Ateliê Carlos Vergara

Outros destaques da exposição são as novas obras da série “Sudário”, com monotipias colhidas em sua viagem ao sul da França em maio último, quando percorreu o caminho do sagrado feminino, que teria sido trilhado pelas Três Marias – Maria Madalena, Maria Jacobé (ou Jacobina, mãe de Tiago), e Maria Salomé – e Santa Sara, a escrava egípcia que se tornou padroeira dos ciganos, em fuga dos romanos. 

“Trilhos de Santa Teresa”, Carlos Vergara / foto: Ateliê Carlos Vergara

Carlos Vergara explica o título da exposição – que é curada por ele-: “Minha ideia é olhar pra frente, viver o presente e propor através do trabalho, e do encontro com o público, novas possibilidades e perspectivas”. 

“Sudário Saintes Maries de Mer” , Carlos Vergara / foto: Ateliê Carlos Vergara

São quatro os grandes conjuntos de obras na exposição: “Sudários”, “Natureza Inventada”, “Prospectiva” e “Empilhamento”. A mostra será acompanhada de uma série de ações, tanto encontros e conversas, como expandidas para fora do Museu, com intervenções dos artistas Lynn Court e Xadalu. 

Em paralelo, acontece a exposição “Zanine 100 anos – Forma e Resistência”, com 18 obras feitas pelo consagrado arquiteto, designer, artista, paisagista e professor José Zanine Caldas, dentro de sua profunda pesquisa sobre nossas madeiras. Com curadoria de Tulio Mariante, curador de design do MAM, as obras selecionadas integram a emblemática e profícua produção de Zanine entre o final dos anos 1960 e 1980, conhecida como “móvel-denúncia”. As peças, feitas em madeira maciça, denunciavam de maneira pioneira o desmatamento das florestas brasileiras. Tulio Mariante destaca que Zanine “coletava as madeiras em restos de abates, muitas vezes irregulares, como forma de denúncia, como forma de resistência”.  

Escultura em madeira pequi / Foto: Andre Nazareth/ Divulgacão Editora Olhares 

Mais do que apenas móveis, os especialistas consideram esses trabalhos como esculturas funcionais, maneira de o artista expressar sua percepção de nossa cultura. O processo de criação era lento, com a utilização de ferramentas tradicionais como serrote, enchó, formão, plaina, e tendo como mão de obra os canoeiros da Bahia. Várias das peças expostas foram criadas no período em que Zanine Caldas viveu em Nova Viçosa, Bahia, anos 1970 até 1980, onde instalou uma oficina que se tornou ponto de encontro de grandes nomes da cultura brasileira, como Oscar Niemeyer, Carlos Vergara, Chico Buarque, Amelia Toledo, Odete Lara entre outros. Lá, ele construiu a famosa casa na árvore para o artista Frans Krajcberg. 

foto: Andre Nazareth / Divulgacão Editora Olhares

São destaques da exposição as peças “Namoradeira”, o “Redário”, a escultura em madeira pequi, a mesa de jantar e o aparador com tampo de vidro criados em Nova Viçosa nos anos 1970, o sofá feito em ilhéus em 1980, entre outras.

“Namoradeira” /foto: Andre Nazareth / Divulgacão Editora Olhares

Aparador com tampo de vidro / foto: Andre Nazareth / Divulgacão Editora Olhares

“Carlos Vergara – Prospectiva” está em cartaz no Espaço Monumental até 12 de janeiro de 2020. E “Zanine 100 anos – Forma e Resistência” está em cartaz no Foyer 

até 17 de novembro de 2019. Ambas exposições estão no MAM RIO: Av. Infante Dom Henrique, 85 Parque do Flamengo – Rio de Janeiro.