Inspiração Arata Isozaki

Hoje o A Cor da Casa homenageia Arata Isozaki, vencedor do Pritzker deste ano, a mais importante premiação de arquitetura no mundo- e também a de mais prestígio. O júri do Pritzker o descreve como “um arquiteto versátil, influente e verdadeiramente internacional”. Isozaki é considerado o arquiteto mais influente do Japão do período pós-guerra. Aos 87 anos é o 46º ganhador do Prêmio Pritzker e o oitavo arquiteto japonês a receber a honra.

O arquiteto japonês Arata Isozaki é o vencedor do Pritzker 2019


Arquiteto, urbanista e teórico altamente condecorado, Isozaki ganhou a Medalha de Ouro do RIBA pela arquitetura em 1986 e foi premiado com o Leone d’Oro na Bienal Arquitetônica de Veneza de 1996. Sua carreira abrange mais de seis décadas e seu portfólio apresenta mais de cem construções espalhadas pela Ásia, Europa, América do Norte, Oriente Médio e Austrália.

Nascido em 1931 em Ōita em Kyushu, a terceira maior ilha do Japão, Isozaki tinha apenas 14 anos quando bombas nucleares foram lançadas em Hiroshima e Nagasaki. A recuperação do Japão da guerra definiu o início da carreira de arquitetura de Isozaki. Ele se formou em 1954 na Universidade de Tóquio e estudou com Kenzo Tange, o Prêmio Pritzker de 1987.

Entre seus trabalhos notáveis no Japão ​​estão:

City in the Air (Joint Core System), quando imaginou um novo layout para Tóquio (1962)

Biblioteca Municipal de Ōita (1966)

Museu de Arte Moderna, Gunma (1974)

Museu Municipal de Arte de Kitakyushu em Fukuoka (1974)

Logo, logo ganhou fama internacional:

Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles, EUA (1986)

Team Disney Building na Flórida, EUA (1990)

Palau Sant Jordi em Barcelona, Espanha (1992)

Centro Cultural de Shenzhen, China (2007)

Centro Nacional de Convenções de Doha, Catar (2011)

Allianz Tower de Milão, Itália (2014)

 Sinfônica de Xangai, China (2014)

A nota publicada pelos jurados do Pritzker definem e defendem bem a sua escolha como vencedor de 2019: “Possuindo um profundo conhecimento da história e teoria arquitetônica, e abraçando a vanguarda, ele nunca apenas replicou o status quo, mas o desafiou.” Parabéns, Arata Isozaki!