Dior in London

A maior e mais completa exposição jamais vista sobre a vida e obra de Christian Dior será inaugurada no sábado no Victoria & Albert Museum de Londres. Chamada “Christian Dior: Costureiro de Sonhos”, ela apresentará 500 itens, sendo que deles, 200 vestidos. No ano passado a exposição esteve em Paris, mas ironicamente – ou não – a capital inglesa é que sedia uma versão 60% maior que a última.

Mas nada é por acaso, Dior exerceu um papel importantíssimo durante a sua carreira vestindo os ingleses, inclusive membros da Família Real. E fora isso, tinha uma adoração especial pela Inglaterra, seus costumes, tradições – e até a sua culinária. Inclusive foi em Londres que Dior abriu a sua primeira loja ready-to-wear. Um dos destaques da mostra é o vestido original costurado por Dior para a Princesa Margaret no seu aniversário de 21 anos.

Christian Dior e a Princesa Margaret

Princesa Margaret vestindo Dior no seu aniversário de 21 anos

Além de fotografias e objetos particulares de Christian Dior que ajudam a contar um pouco da trajetória da fama de ícone da moda, a exposição visita todos os períodos da Maison, de sua criação, em 1947, até os dias de hoje. Os diversos costureiros que assinaram as coleções depois da morte de Christian em 1957 também fazem parte da mostra, afinal são eles que conseguiram continuar o legado do grande mestre e fazer com que até o momento presente a grife seja considerada das mais cobiçadas internacionalmente. São eles: Yves Saint Laurent, Marc Bohan, Gianfranco Ferre, John Galliano, Raf Simons e Maria Grazia Chiuri.

Destaque máximo para os cenários montados em cada sala da exposição com todo o cuidado pela equipe escolhida pelo curador Oriole Cullen. Em particular a “Garden Room” com arranjos de flores lilás derramando do teto, remetendo ao emblemático desfile de alta-costura Outono 2012, assinado por Raf Simons, e imortalizado no documentário “Dior and I”.

E também para a última sala da exposição, feita nos moldes da loja da Maison na Avenue Montaigne, em Paris, usando as mesmas cores, detalhes e ambientação. Nela estão presentes dois vestidos Couture – um criado por Dior em 1956 e ao seu lado um mais recente da coleção Primavera 2015. Ambos feitos em seda dourada e adornados por cristais Swarovski. Sem dúvidas, um desavisado poderia achar que ambos os vestidos fazem parte de uma mesma coleção, bem atual. Por isso, fecham a exposição com chave de ouro, mostrando através daqueles vestidos o poder e triunfo dessa grife que atravessa décadas com o mesmo glamour, sofisticação e elegância de sua fundação.

“Christian Dior: Costureiro de Sonhos” fica em cartaz de 02 de fevereiro até 14 de julho no V&A, em Londres. Como promete ser uma exposição blockbuster, recomenda-se a compra antecipada  de ingressos.