Abstração em Cartaz

Quem passa as férias no Rio de Janeiro não pode perder a exposição recém-inaugurada na Casa Roberto Marinho sobre arte abstrata brasileira. A mostra reúne oito décadas de arte das coleções do MASP e do Instituto Casa Roberto Marinho e está sendo aclamada pela crítica.

 

A arte abstrata começou a ser praticada no Brasil na década de 40. Nesse momento surgiram duas linhas: a abstração informal e a abstração geométrica. A primeira caracteriza-se pela expressão de gestos do artista, seja com os materiais da pintura, ou da escultura, como resultado, o estilo de cada artista se torna muito singular. Já a abstração geométrica, parte do princípio universal da matemática e da geometria, criando uma identidade um pouco mais coletiva. Grupos foram formados como o Ruptura, o Frente e o Neoconcreto, dentro dessa linha.

 

Enquanto isso, os artistas que praticaram a abstração informal no Brasil não constituíram grupos permanentes, pois a singularidade do estilo de cada qual se impunha sobre princípios gerais. Mesmo assim, a abstração informal semeou no Brasil um extenso campo de arte gestual e da exploração da matéria da obra de arte. Ao reunir duas das coleções mais importantes do Brasil, a mostra – que tem curadoria de Felipe Chaimovich e Lauro Cavalcanti- exibe a permanência e a potência da abstração informal ao longo das últimas décadas, de 1940 – 2010.

 

Entre os artistas plásticos presentes na exposição estão: Antonio Bandeira, Ângelo Venosa, Roberto Burle Marx, Karim Lambrecht, Iberê Camargo, Maria Martins, Jorge Guinle, Frida Baranek, Ernesto Neto, Tomie Ohtake e Célia Euvaldo.

 

Confira um preview de algumas das obras em cartaz:

 

“Insônia infinita da terra”, por Maria Martins (1965)

 

“Il neige sur Notre Dame”, por Antonio Bandeira (1962)

 

“Sem título”, por Ernesto Neto (1999)

 

“Bolo”, por Frida Baranek (1990)

 

“Andamento III”, por Iberê Camargo (1973)

 

 “Sem título”, por Tomie Ohtake (1970)

 

“Poltrona”, por Tatiana Blass (2003)

 

A exposição “Oito décadas de abstração informal” foi inaugurada em dezembro de 2018 e fica em cartaz até 09 de junho de 2019. A Casa Roberto Marinho funciona de terça-feira a domingo, das 12h às 18h, na Rua Cosme Velho 1105. A entrada custa R$10,00.