Laura Lima em Milão

A brasileira Laura Lima está com tudo e não está prosa. Foi ela a escolhida para uma série de quatro instalações site specific para a novíssima Fondazione Prada, em Milão. A artista plástica mineira, radicada no Rio, tem um trabalho avant-garde na área de performance art. Foi ela a primeira brasileira a ter obras adquiridas na categoria “performance” por um museu brasileiro, o MASP, em São Paulo. Seu trabalho está em diversas coleções nacionais e internacionais. Ela, inclusive, é uma das fundadoras da galeria A Gentil Carioca, no Rio de Janeiro, junto com Ernesto Neto e Márcio Botner.

Laura Lima, artista plástica mineira radicada no Rio de Janeiro

Ela é a primeira brasileira em cartaz na Fondazione Prada, inaugurada em maio deste ano. O centro cultural fica em uma destilaria centenária em Milão, e tem projeto do escritório de arquitetura holandês OMA, de Rem Koolhaas.

E até 22 de outubro, Laura Lima está em cartaz na Fondazione Prada apresentando “Slight Agitation 4/4: Laura Lima”. Chamada “Horse Takes King” (cavalo leva rei), a exposição alude a um jogo de xadrez, onde os espectadores são convidados a se mexer livremente, sem saber o que os aguarda a partir do impulso da artista. O objetivo – ousado – é distorcer os sentidos de nossa compreensão e percepção.

São três grandes esculturas, “Bird” (2016), “Pendulum” (2018) e “Telescope” (2018). Sendo que “Bird” foi feita em colaboração com outro grande artista plástico brasileiro: Zé Carlos Garcia. Juntas, as três esculturas questionam a natureza do envolvimento do público com o espaço e o local. Ela provoca o público a pensar no limite entre o imaginário e o factual, para ressaltar o absurdo poético inerente ao que aparentemente é real.


Fotos: Mattia Balsamini/ Fondazione Prada

A exposição “Horse Takes King” fica em cartaz até 22 de outubro na Fondazione Prada, em Milão.