Decoração e Brasilidade Online

A atuação no mercado de arquitetura carioca continua de vento em popa para Patricia Fiuza e Carolina Freitas, sócia também do Studio Eloy & Freitas Arquitetura. Essa vivência destacou uma lacuna no mercado de decoração que elas se propuseram a cobrir através da Casa Caju, loja virtual que lançaram neste ano em sociedade com a empresária Andressa De Luca, para cobrir uma demanda por acessórios autênticos, exclusivos e de qualidade para produzir a casa. Inspiradas em elementos da cultura tupiniquim, criaram um e-commerce de itens decorativos com design autoral e produção artesanal 100% nacional.

As sócias da Casa Cajú: Andressa De Luca Carol Freitas e Patricia Fiuza

Definindo-se como uma casa brasileira de decoração, o e-commerce apresenta a primeira coleção da marca, com o tema “Varandas do Nordeste”, que partiu de um estudo sobre cada estado da região e suas diferenças culturais, reunindo referências em fotos, viagens e croquis, transformados em 16 opções de estampas e padronagens reproduzidas em almofadas, jogos americanos, guardanapos de papel, panos de prato e ecobags, que figuram ao lado de cestos de fio de malha e tábuas de cerâmica.

As almofadas coloridas em estampas rosadas da Casa Cajú

E também as eco-bags

“Nossa principal missão é poder oferecer produtos inspiradores e com personalidade, que sejam funcionais e decorativos. Que tragam vida e sofisticação para dentro de casa, tudo isso com muito carinho e eficiência”, explica a arquiteta Carol Freitas.

Algumas estampas dos jogos americanos da marca

Com uma equipe pequena, composta pelas três sócias, uma designer e uma costureira, além dos artesãos parceiros, a empresa tem como proposta valorizar e preservar a produção nacional e a mão-de-obra local, buscando alternativas sustentáveis e minimizando os gastos e o desperdício de matérias-primas. “Queremos mostrar ao mundo a nossa cultura de uma forma conceitual, saindo do óbvio azul, verde e amarelo”, conta Patricia, destacando os elementos como a carambola, o mandacaru, o cacto e as pinturas corporais indígenas, que inspiraram algumas das estampas da coleção Varandas do Nordeste.

Com um público bastante abrangente – segundo o trio, especialmente mulheres das classes A e B, com idade entre 25 e 65 anos, conectadas, com um estilo moderno e descolado e que curtem cuidar da casa -, os planos futuros para a Casa Caju incluem pratos decorativos em porcelana e quadros com as estampas exclusivas da marca.

Para a próxima coleção, elas pretendem homenagear outra região do Brasil, ainda não definida: “Nossa ideia é rodar todos os cantos do país, em busca de valorizarmos nossa cultura”, afirma Andressa. Além da brasilidade, a pegada sustentável é outro pilar da marca – as tags que acompanham os produtos da Casa Caju, por exemplo, são feitas com papel-semente, que podem dar origem a temperos.

O detalhe das tags sustentáveis

Sem a pretensão de se tornar uma loja física no momento, a Casa Caju está em negociação com parceiros para apresentar a marca para o consumidor final, fornecendo produtos para marcas com endereço físico, e tem interesse em feiras voltadas para o design e a produção artesanal independente. “Também temos a intenção de estreitar laços com empresas fora do Rio de Janeiro, principalmente no Nordeste, que inspirou nossa primeira coleção”, revela Carol, que completa: “queremos levar nosso conceito de brasilidade para o mundo”.

Fotos: Ari Kaye

Confira isso tudo e mais no:  http://www.casacaju.com.br/