MoMA Pop-Up

Quem pensa que a moda dos pop ups se restringe a lojas, cafés e restaurantes está muito enganado. Até os museus tradicionais entraram na onda e estão começando a pensar em projetos itinerantes. É por exemplo o caso do MoMA, o museu de arte moderna de Nova York, que vai viajar até Melbourne na Austrália de junho a outubro. Em parceria com o National Gallery of Victory, o museu mais visitado de Melbourne, o MoMA apresentará a exposição: “130 Anos de Arte Moderna e Contemporâneat” com os destaques da coleção permanente do museu nova iorquino.

São aproximadamente 200 obras, organizadas em ordem cronológica em oito seções temáticas. A exposição percorre o desenvolvimento da arte e do design desde a transformação urbana e industrial do fim do século XIX até o momento presente, uma época global e digital.

Aberto em 1929 com o objetivo de se tornar o melhor museu de arte moderna do mundo, o MoMA sem dúvidas atingiu sua meta. Hoje, tem cerca de 200 mil obras de arte produzidas por pelo menos dez mil artistas em seus seis departamentos: Arquitetura & Design, Desenho & Arte Gráfica, Filme, Mídia & Artes Performáticas, Pintura & Escultura e Fotografia.

O surgimento da chamada “nova arte” no início do século XX será representada pelas primeiras aquisições do MoMA – o que significa, obras de: Vincent Van Gogh, Paul Gauguin e Paul Cézanne.

“Retrato de Joseph Roulin”, Vincent van Gogh (1889)

Para representar o movimento Cubista e Futurista, eles apresentarão obras de Pablo Picasso e Umberto Boccioni, lado a lado do trabalho radicalmente novo e abstrato de Piet Mondrian e Kazimir Malevich.

 “A Mesa do Arquiteto”, Pablo Picasso (1912)

Na sequência, obras de artistas plásticos surrealistas como Salvador Dalí e Frida Kahlo. E quem fecha esse tema é Alexander Calder e Jackson Pollock, expressionistas abstratos que marcaram época com a espontaneidade da arte.

“Auto-retrato”, Frida Kahlo (1940)

Os anos 60, do minimalismo ao pós-modernismo, serão representados por Roy Lichtenstein, Andy Warhol, Jeff Koons, Keith Hering, entre outros.

“Marilyn Monroe”, Andy Warhol (1967)

“Untitled”, Keith Haring (1982)

Entre as obras importantes do final do século XX estão trabalhos de Olafur Eliasson, Kara Walker, Rineke Dijkstra, Andreas Gursky e Mona Hatoum. Estas representarão as ideias que tomaram corpo na época e que inspiram obras contemporâneas com temáticas de identidade nacional e cultural e a mobilidade em um mundo globalizado.

“Gone”, Kara Walker (1994)

 “99 Cent”, Andreas Gursky (1999)

E para dar ainda mais água na boca: peças da coleção de arquitetura e design do MoMA estarão salpicadas pelas salas de exibição.

“Red Blue Chair”, Gerrit Rietveld (1918)

 “Maquete de Villa Savoye, França” Le Corbusier (1932)



“130 Anos de Arte Moderna e Contemporânea do MoMA” inaugura no National Gallery of Victoria 9 de junho e fica em cartaz até 7 de outubro de 2018. Para ingressos e mais informações, visite a página da pop up.