Doshi: O Grande Vencedor

O anúncio do 45o vencedor do Prêmio Pritzker – o “Oscar” da arquitetura- foi feito na última quarta-feira e teve um sabor especial. Isso é porque o vencedor, Balkrishna Vithaldas Doshi, aos 90 anos, é o primeiro indiano a receber o reconhecimento. Com um trabalho voltado para a integração social, o bem-estar e a sustentabilidade, ele é conhecido por criar projetos que evocam a cultura e história da Índia, inspirado pelos grandes templos e santuários do país e pelos materiais simples do cotidiano que remetem à mercenaria onde trabalhava seu avô.

O indiano Balkrishna Vithaldas Doshi é o vencedor do Pritzker 2018

Arquiteto, urbanista e educador, Balkrishna Doshi é considerado pioneiro em projetos de habitação para famílias de baixo-renda. Seu nome é pouco conhecido fora da Índia, mas “em casa” é hiper-premiado e tido como um mestre. Nascido na cidade de Pune, em 1927, Doshi estudou arquitetura em Mumbai, se mudou para Londres a trabalho e depois para Paris, onde foi trabalhar com ninguém menos que Le Corbusier.

Doshi sempre se preocupou com o bem-estar social, sempre buscando criar projetos que tivessem uma conexão com o silêncio e paz interior. Essa filosofia, que o acompanha em seus 70 anos de carreira, resultou em projetos icônicos como o Aranya Low Cost Housing perto de Indore (1989), onde mais de 80 mil pessoas de baixa renda vivem em casas confortáveis dividindo pátios e áreas comuns com outras famílias.

  Aranya Low Cost Housing, em Indore, Índia (1989)

Ele também assinou um projeto pioneiro em Ahmedabad (1973) que abriga famílias de diferentes rendas em um edifício de três andares. O Life Insurance Corporation Housing tem formato de pirâmide e ganha acesso através de uma escadaria interessante.

 

Life Insurance Corporation Housing, em Ahmedabad, Índia (1973)

No plano de cidades, Doshi é conhecido por projetos que descartam o uso de carros e que promovem espaços públicos comunitários. Para ele, a importância do desenho urbano é para servir a sociedade, criando ambientes de convivência, trocas e bem-estar. Essas idéias foram colocadas em prática não só em projetos públicos em Jaipur e Chandigarh, como também em seu próprio escritório “Vastu Shilpa Consultants”. O espaço inclui um jardim e um anfiteatro a céu aberto, ambos feitos para criar esse ambiente de troca entre os 60 designers, arquitetos e paisagistas que trabalham na empresa.

O escritório de arquitetura e design urbano de Doshi: Vastu Shilpa Consultants, em  Ahmedabad, Índia (1981)

Além de todos esses feitos na área da arquitetura e design urbano, Doshi também é um grande educador. Na Índia, fundou (e projetou!) seis instituições de ensino, entre elas a Universidade de Arquitetura e Planejamento Urbano de Ahmedabad (CEPT), onde ele integra o conselho educacional. O campus da CEPT é bem aberto, com poucas paredes e muros, para estimular trocas formais e informais entre os que ali frequentam.

 

Universidade de Arquitetura e Planejamento Urbano de Ahmedabad (CEPT) , Ahmedabad, Índia (1966-2012)

O legado de Doshi é, como se pode ver, impressionante. Esse grande homem foi reconhecido merecidamente pelos jurados do Pritzker 2018, que em maio apresentarão formalmente o prêmio durante uma cerimônia no Aga Khan Museum de Toronto, no Canadá.