Vermelho Verdadeiro

Essa é a última semana para conferir o momento true rouge, ou vermelho verdadeiro, na Galeria Nara Roesler de Ipanema. Inaugurada no início do mês, a exposição aborda a perspectiva da monocromia na arte contemporânea, com tons de vermelho e terra. A coletiva, que utiliza obras do vasto acervo nacional e contemporâneo da galeria, traz nomes como Tunga, Angelo Venosa, Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Hélio Oiticica, Berna Reale e Antonio Dias. A exposição leva o nome da obra que homenageia o artista plástico Tunga, um ano após a sua morte.

  

Confira um preview do que pode ser visto até o dia 30, na Galeria Nara Roesler:

“Indiana #2”,  Berna Reale (2015)

“Terras”, Milton Machado (1989)

 “Demarcando Territórios”, Antonio Dias (1982)

 

 “Cosmos”, Karin Lambrecht  (2008)

“Sim e Não”, Lucia Koch (2013)

Para quem não conhece a obra “True Rouge”, que faz parte da coleção permanente do Instituto Inhotim, em Brumadinho (MG), é uma instalação composta inteiramente de elementos vermelhos. É uma espécie de teatro de marionetes em que frascos de vidro se equilibram entre cordas e tecidos a alguns centímetros do chão, manchado com viscosas poças de líquido vermelho. Na instalação, como é característico na obra deste artista, Tunga funde elementos antagônicos, harmônicos e discordantes ao mesmo tempo; o transparente convida o opaco, e o positivo reforça o negativo.

 “True Rouge”, Tunga (1997)

“True Rouge” é baseada em um poema algébrico do escritor inglês Simon Lane. Para expor os dilemas da condição humana, o artista se vale de uma linguagem onírica, para alcançar o universo simbólico comum a todos.

“True Rouge”, Simone Lane (1997)

Fotos: Paulo Jabur

A exposição “True Rouge” fica em cartaz até dia 30 na Galeria Nara Roesler. A galeria fica na Rua Redentor, 241, em Ipanema.