Cine Piva

Honrado. Assim descreve André Piva a sensação de ter sido convidado para o projeto do novo Cinema Leblon, fechado desde 2014. Frequentador do cinema desde menino, o gaúcho radicado no Rio de Janeiro lembra muito bem da primeira fila da Sala 2, onde sempre assistia filmes de Woody Allen e Bernardo Bertolucci na sessão da tarde, as vezes por duas sessões seguidas.

A construtora Mozak se prepara para inaugurar em 2020 um complexo residencial com mix de comércio e lazer no local onde durante décadas funcionou o cinema. Inspirado no Mercado da Ribeira, em Lisboa, o complexo terá um espaço gastronômico de mil metros quadrados no subsolo, três salas de cinema e um prédio comercial de sete andares. A convite da construtora, o arquiteto André Piva comanda desde 2015 o projeto do prédio e áreas públicas. Com a ideia já madura, ele apresentou agora no início do mês a ideia que criou para o local, pensando sempre em não descaracterizar esse ícone do Leblon. Apesar de não ser tombado, mesmo assim o arquiteto sempre soube que um dos objetivos do projeto era preservar sua história.

cinepiva-foto-1

cinepiva-foto-2

cinepiva-foto-3


Falando em história, a fachada e o lobby foram pensados no estilo arquitetônico dos anos 20-30: o Art Déco. Além disso, a ideia é recuperar o desenho original da década de 50 e repor os letreiros originais. Tudo para que os nostálgicos órfãos do Cinema Leblon voltem a frequentar com muita alegria aquelas salas de exibição.

Por trás desse tesouro carioca, Piva erguerá um prédio contemporâneo surpreendente, com jardins suspensos em desníveis. Segundo o arquiteto, a ideia é que vire uma referência no bairro, assim como foi o Cinema Leblon. Por dentro, o prédio não serve apenas aos inquilinos, mas também os moradores do bairro, através de serviços como um andar de restaurantes, lojas, salas comerciais e um café. Além, claro, do cinema, que será de última geração, com três salas VIP.

Para saber mais sobre o projeto, entre em contato com o escritório André Piva Arquitetura