Juntos: Rio em Veneza

O pavilhão brasileiro na 15ª Mostra Internacional de Arquitetura, da Bienal de Veneza, está pra lá de carioca. O tema do evento, “Reporting From The Front”, faz referência às muitas batalhas que a arquitetura e o urbanismo ainda têm que vencer para garantir uma melhor qualidade de vida às pessoas. E para ilustrar, o arquiteto e urbanista Washington Fajardo, o curador, buscou mostrar projetos de construção coletiva em que as soluções nasceram de parcerias. A partir disso, selecionou oito projetos do Rio de Janeiro – muitos deles, localizados em favelas cariocas.  Batizado de “Juntos”, são todos projetos que merecem aplausos e que nos orgulham. Confira!

Parque Madureira

Com pouquíssimas opções de lazer na Zona Norte do Rio, e com menos de 1m² de área verde por habitante, o Parque de Madureira surge em 2012 para a alegria dos moradores e visitantes da região. Feito pelo engenheiro Mauro Bonelli, da Secretaria municipal de Obras do Rio, e o arquiteto Ruy Rezende, o projeto do parque será destacado na Bienal.

Nomes da Maré

 As ruas do Complexo da Maré foram recentemente renomeadas a partir de um projeto de Eliana Silva, diretora da ONG Redes da Maré, em conjunto com moradores das 16 favelas da região. Concluído há dois meses, quase 800 logradouros foram renomeados de acordo com a história e cartografia do local.

Escola Vidigal

 A Escola Vidigal, um projeto de Vik Muniz, é dedicada à alfabetização digital de crianças de 4 a 8 anos. Com projeto de Brenda Bello e Basil Walters, do estúdio nova-iorquino BW Architects, a escola foi projetada em dois prédios, um para a escola, outro para receber colaboradores — com um desenho que se integra à paisagem: tijolos aparentes, linhas retas em ferro.

Parque Vidigal

Morador do Vidigal, o músico Mauro Quintanilha vivia incomodado com o lixão em frente à sua casa, depois que moradias ilegais foram demolidas em 2003 pela prefeitura. Sua luta para tirar as 20 toneladas de dejetos ganhou a adesão do gari comunitário Paulo Cesar de Almeida. Em 2012, na Rio + 20, eles conheceram Pedro Henrique de Cristo, formado em design e políticas públicas em Harvard. Ele e a mulher, Caroline, levaram para lá seu escritório de arquitetura, o +D, e ajudaram a formatar o Parque e Instituto Sitiê.

 

 

Ciclovias Urbanas

Clarisse Linke, do Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento; Zé Lobo, da organização da sociedade civil Transporte Ativo e o arquiteto Pedro Rivera, do Studio-X, foram porta-vozes da demanda de ciclistas por ciclovias no Centro. Juntos fizeram uma série de encontros, contagens de ciclistas em pontos estratégicos da região e medições de vias. O Ciclo Rotas do Centro prevê uma malha de 33 km, dos quais 3,5 km já foram entregues. O restante será concluído até 2020.

Juntos” fica no Pavilhão do Brasil, no Giardini Castello, Padiglione Brasile, 30122 Veneza, Itália, de 28 de maio a 27 de novembro de 2016.