Walter Goldfarb, em dose dupla

O ano de 2016 começou brindando em dose dupla o trabalho do artista plástico carioca Walter Goldfarb. Com uma exposição em cartaz no Central Cultural Correios, no Centro, e outra no Espaço Cultural CasaShopping, na Barra, o artista está sendo celebrado simultaneamente na cidade no ano em que completa duas décadas de trabalho. Ambas as mostras tem curadoria de Vanda Klabin e destacam com primor a essência desse artista contemporâneo mergulhado no curso da história da arte no Ocidente e no Oriente.

O artista Walter Goldfarb ao lado da curadora Vanda Klabin

 

Walter Goldfarb é reconhecido por unir dois processos geralmente antagônicos: o fazer artesanal, no exercício diário de ateliê, e por outro lado o das vanguardas contemporâneas, que enchem as obras de histórias e conceitos. Suas pinturas são construídas com lavagens e raspagens químicas de centenas de bastões de carvão, tingimentos em tie-dye, diversas técnicas de bordado realizados pelo próprio artista sobre a lona espessa da pintura com o fio retirado da própria lona, e o uso de esculturas-objetos em pedras e metais preciosos, peles de animais, espelhos, madeiras e sementes dentre outros.

 

A exposição da Barra, “Teatro do Corpo na Onda Carioca”, foi inaugurada ontem em um novo espaço do CasaShopping dedicado às artes visuais, e reúne obras em grandes dimensões. A curadora tira partido da brutalidade do cimento e do concreto do espaço ainda cru, de 600 metros de área, para mostrar 18 obras de diferentes fases do artista ao longo desses 20 anos.

 

“Focamos principalmente em uma seleção de um conjunto significativo de suas telas em diferentes formatos, realizadas nos primeiros cinco anos de trabalho, que registram o desenvolvimento peculiar da fatura de seu exercício de ateliê,” explica a curadora Vanda Klabin.

Goldfarb, Klabin e Chico Grabowsky, o diretor-geral do CasaShopping

 

 Goldfarb, Klabin e Jorge Saldanha, o produtor da exposição

 

Na mostra, poderão ser contempladas obras pontuais da produção do artista como a pintura da série Teatros Bíblicos – MILAGRE de 3 metros de altura por 6 de comprimento, com bordados em cânhamos, piche e objetos presos a lona crua.

 

 

Já no Centro Cultural Correios, a exposição “Ela não gostava de Monet” é uma retrospectiva em 40 trabalhos da obra do artista. Entre elas, as séries Teatros Bíblicos,  Branca, Negra, Teatros do Corpo, Lisérgica e a mais recente Brinquedo de Roda. Além disso, reúne algumas obras nunca exibidas por Goldfarb.

 fotos Beto Felício

Vanda Klabin pontua que as pinturas do artista “registram o desenvolvimento peculiar do seu laborioso exercício de ateliê e visa contemplar também as suas  estruturas seriadas, que  proporcionam articulações infinitas, dando espessura aos trabalhos e fornecendo consistência plástica ao olhar.” 

fotos Beto Felício

 

“Ela não gostava de Monet” fica em cartaz no Centro Cultural Correios até 28 de fevereiro. “Teatro do corpo na Onda Carioca” fica até  28 de fevereiro no Espaço Cultural CasaShopping, na nova área de expansão.