As escolhas deles (parte 2)

 São 25 anos de Casa Cor Rio e de muitas parcerias com arquitetos, designers e paisagistas. Por isso, a gente sabia… escolher apenas um projeto favorito, dentre tantos memoráveis, não seria mesmo tarefa fácil. Para ninguém. Mas como o A Cor da Casa adora relembrar o passado, a gente fez essa “maldade” com alguns desses parceiros de longa data.

Que o digam as arquitetas Paula Neder e Joy Garrido. Elas bem que tentaram burlar nossas regras. Paula escolheu dois projetos. E Joy, três. Mas, claro, até elas têm um preferido.

Paula, que esteve em 17 edições, escolheu o projeto mais recente: o estúdio decorado, no ano passado, em homenagem a Lina Bo Bardi. Um ambiente supercontemporâneo, recheado de peças de design e com muitas cores.

“Adoro tudo ali: o espaço, o projeto, as cores!”.

 

                  Paula Neder elegeu como favorito o estúdio em homenagem a Lina Bo Bardi, de 2014

 Joy Garrido elegeu o SPA Deca 2005 como seu favorito

Já os outros arquitetos ouvidos não fizeram viagens tão longas ao passado. Chicô Gouvêa escolheu seu projeto de 2010, quando a Casa Cor aconteceu no Palacete Modesto Leal: uma Biblioteca que tinha nada menos que 40 metros de livros dispostos em seis estantes e que ficou a sua cara.

“Foi uma interferência muito interessante numa casa belíssima e sem nenhuma obra. Ali, fiz uma coisa bem lúdica, que tem a ver com o meu trabalho na Olhar o Brasil e que acabou ficando uma montagem parecida com a minha própria casa”, conta. 

                        A escolha de Chicô foi a Biblioteca de 2010, um projeto sob medida até para a sua casa

Pedro Paranaguá elegeu a Suíte da Mulher, que ele decorou em 2013, na Península. Um projeto contemporâneo, mas com toque romântico.

“Foi bem marcante pelo fato de ter sido uma homenagem aos milhares de mulheres independentes e muito femininas”, explica.

                          Feminilidade na suíte da mulher independente decorada por Pedro Paranaguá, em 2013

Para Roberta Moura, que trabalha em parceria com Paula Faria e Luciana Mambrini, o que pesou na escolha foi a liberdade para realizar o trabalho.

“Fizemos um estúdio com liberdade total e que ficou bem conceitual. Ali, pudemos mostrar tendências de moradia e estilo”, justifica Roberta. 

 Roberta Moura também escolheu o projeto de 2014, na Barra