Cariocas en Madrid

Entre 25 de fevereiro e 01 de março, Madri será o destino dos galeristas e curadores de arte do mundo. A feira Arco Madrid, que está entre as seis mais importantes do mercado europeu de arte contemporânea, está nos “finalmentes” para o grande dia de inauguração. Entre as 218 galerias participantes de 29 países diferentes, 160 participam do Programa General, 10 da #ArcoColombia , 28 da #Opening e 24 da Solo Projects – as diferentes seções da feira. Entre todas essas, apenas duas são cariocas: Anita Schwartz  (Programa General) e Silvia Cintra + Box4 (Solo Projects).

Arco Madrid

A galeria Anita Schwartz está levando para a feira o trabalho de três representantes da arte contemporânea brasileira, divididos em duas gerações. Angelo Venosa, integrante da “Geração 80” dedicado à escultura; Nuno Ramos, componente da “Casa 7”, transita entre temáticas e técnicas ilimitadas; e Gustavo Speridião, novo expoente da cultura visual contemporânea brasileira. O desafio dos materiais, o elogio ao vazio, a descontextualização de certos elementos e o tempo como estado transitivo constituem os núcleos de estudo e de análise comum entre esses três artistas. 

“Anjo e boneco”, uma série de guaches de Nuno Ramos, ocupará a parede frontal do stand. Nuno propõe um jogo entre formas geométricas e linhas gestuais que parecem estar à beira do desequilíbrio. Há uma expectativa de um porvir, a composição não é estática e incorpora a aleatoriedade deixando que os materiais atuem por si.

Angelo Venosa investiga o estado físico da escultura, dando ênfase à morte temporal dos objetos. As obras mais recentes presentes no stand buscam dinamizar o espaço dando uma sensação de percepção fluida no ambiente.

Angelo Venosa, “Sem Título” (2014)

Angelo Venosa, “BM (3)” (2014)

O cenário de Gustavo Speridião é o mundo. Qualquer elemento é suscetível de ser registrado e o drama humano predomina em seus temas. Há sempre um trabalho subterrâneo, que traz à superfície tudo o que seria vulnerável à repressão. O stand comporta pinturas de caráter urbano e realista, com uma gama de cores limitada que inquieta o espectador por sua narrativa promíscua, revolta, entusiasmo e prazer.

Gustavo Speridião, “Eis que surge” (2013)

Gustavo Speridião, “O sonho” (2007)

Já a Silvia Cintra + Box4, que participa da feira há 3 anos, dessa vez participa da Solo Projects- Focus Latin America- uma seção da feira que procura conhecer o trabalho de artistas latino-americanos, e é comissariado por curadores emergentes de arte contemporânea da região. A galeria está levando o artista plástico Laercio Redondo, a convite de Kiki Mazzucchelli, uma das curadoras selecionadas pelo projeto. O artista que é paranaense radicado em Estocolmo (com pausas no Rio), trabalha o tema da memória coletiva em seu trabalho. “Fachada” é o projeto apresentado por ele na feira, que toma como ponto de partida um marco da arquitetura moderna Brasileira: o Palácio Gustavo Capanema, onde funcionou o Ministério da Educação e Cultura no Rio de Janeiro; e conta com quatro elementos principais: uma frase fundida em bronze, um filme, um conjunto de dispositivos para parede e a imagem ampliada de um cartão postal dos anos 50.

Laercio Redondo, “Le Corbusier, 1936” (2014)

Laercio Redondo, “Fachada-Dispositivo 08”  (2014)

Laercio Redondo, “Fachada-Dispositivo 14”  (2014)

A Arco Madrid inaugura dia 25 para convidados e dia 27 para o público nos pavilhões 7 e 9 da Feria de Madrid. Para mais informações, visite o site do evento.