Invasão Criativa nos corredores da Casa Cor Rio

Quando você for visitar a Casa Cor Rio preste muita atenção nos corredores. Eles estão cheios de histórias. Boas histórias, por sinal. Inspirados no conceito de “invasão criativa”, a designer Ana Laet e o arquiteto Alessandro Sartore garimparam imagens na WSGN (canal de tendências de moda e arte mais in do mundo) para compor o patchwork de fotos que cobre as paredes da circulação. Mas não fizeram isso de uma forma qualquer. Todo o material foi impresso em papel fino, bem precário, o mesmo usado nos cartazes que vemos presos nos postes e muros do Rio. E, para completar o clima high-low, a dupla emoldurou as fotos com stencil dourado. Um luxo! “Nesta edição, os corredores funcionam como o lugar do pensamento, da reflexão… Diferentes imagens misturadas, aparentemente de forma aleatória, remetem a todo e qualquer processo criativo. O resultado desta busca, desta pesquisa, a gente pode conferir dentro de cada espaço criado pelos arquitetos para o evento”, conta o arquiteto.

Destaque também para homenagem ao designer Sérgio Rodrigues (falecido em setembro) logo no corredor de entrada. Esta parte do projeto Sartore tratou de forma diferenciada, pintando as paredes de branco, como numa galeria de arte. Elas servem de moldura para a exposição de cadeiras criadas pelo designer: Cadeira Fernando (2012), Cadeira Cuiabá (1985) e Cadeira Mena (1978). “São peças únicas, escolhidas no acervo de Sérgio por mim e sua viúva, Vera Beatriz.  Representam diferentes momentos da sua carreira”, conta o arquiteto. Ao fundo, impressa na parede, uma frase linda do arquiteto Ivan Rezende, amigo da vida inteira de Sérgio: “Quando o tupinambá foi à mata, viu jacarandá. Se tivesse ido a Ipanema teria visto Sérgio Rodrigues. Sérgio, madeira de lei, nobre metamorfose. Tradução do Rio de Janeiro que a gente quer. Eternamente presente, é inspiração para aqueles que buscam excelência.”