Arte no Palácio Capanema

Considerado um marco da Arquitetura Moderna Brasileira, o edifício Palácio Capanema, abriga até o dia 29 de Agosto o projeto “Jardins Submersos: um espaço líquido”, da artista plástica Fernanda Junqueira. O projeto é um dos quatro selecionados pelo Prêmio Projéteis Arte Contemporânea 2013 promovido pela Funarte para ocupar o Mezanino do Palácio.

Inspirado no jardim do paisagista Roberto Burle Marx, o trabalho integra um conjunto de 231 piscinas feitas com chapas de plástico reciclável chamadas PetG.

Fernanda Junqueira reconstrói as formas ameboides dos canteiros que o mestre Burle Marx criou para o palácio. Dentro das piscinas, água e pigmentos azuis, em vários tons, criam uma superfície fina, quase uma lâmina, de continentes líquidos, ora transparentes, ora espelhados. Em três pontos da grande galeria, projeções dão vida à obra: em uma delas, dois peixes vermelhos; em outra, a chuva ‘cai’ em duas piscinas; e na terceira, são projetadas as superfícies de lagos do sítio do paisagista.

Ao transpor as formas dos canteiros do terraço para o salão de exposição, a instalação recria o jardim em formato líquido, levando todo o universo fluido da água para o interior da galeria. Cria-se assim uma relação plástica e conceitual entre o ambiente “natural” de plantas, concebido no coração de um prédio modernista, com este outro espaço contextualizado pela instalação. A obra traz em si, além da sua evidente plasticidade, discussões sobre os espaços arquitetônicos e a natureza.

“Jardins Submersos: um espaço líquido” fica em cartaz até 29 de agosto, de segunda até sexta de 10h às 18h no edifício Palácio Capanema- Rua da Imprensa, 16, Centro. A entrada é franca.