Os Jardins da Casa

Jardim do Boulevard, por Cecilia Monarcha


A inspiração veio de Inhotim e dos próprios jardins da Península. “Um espaço clean, agradável de olhar e ficar”, explica Cecília Monarcha.  As esculturas de ferro coloridas de Roberto Cardin são as “flores” do jardim da paisagista, que tem também bancos rústicos em madeira. Numa área de mais de 400 m², ela criou ilhas de palmeiras e em volta colocou plantas menores, como algumas espécies de bromélias, nolinas e as icsórias africanas com suas lindas flores vermelhas. 

Jardim do Restaurante, por Daniela Infante

A inspiração para o “Jardim das Palmeiras”, como a paisagista Daniela Infante chama seu espaço, foi a própria Península e sua natureza exuberante. Daniela criou um pátio pensando no estilo de vida das pessoas que vivem ali. Colocou uma fonte e muitas palmeiras para refrescar os dias mais quentes. E uma bacia de granito, onde é possível acender uma fogueira, para espantar o friozinho do inverno. Vermelho e, claro, diferentes tons de verde, colorem o jardim, que tem uma grande mesa feita com um tronco de árvore encontrado em uma área desmatada, cadeiras em madeira de sucupira e deck. No centro da cena, uma grande escultura de aço de Jorge dos Anjos. “No pátio central, iremos utilizar o piso Bruciato, da Piso Plano, um revestimento cimentício de secagem rápida e que dá um belo acabamento, ao mesmo tempo rústico e requintado”, conclui Daniela.

Jardim da Entrada, por Alexandra Marcondes e Esther Daemon

Cheio de cor, luzes e sombras, o Jardim da Entrada cerca todo o Espaço Península/Recepção, de Ivan Rezende, a porta de entrada e de saída da Casa Cor Rio. A dupla de paisagistas povoou toda a área com espécies nativas e tropicais. “Optamos por colocar plantas já adaptadas ao ambiente e de fácil manutenção. Assim, gasta-se menos água e adubo para conservá-las”, conta Alexandra Marcondes.

É um jardim econômico e ecologicamente corretíssimo com, por exemplo, belas jabuticabeiras e mini-pintangueiras que, além de colorir o ambiente com suas flores, também dão frutos deliciosos que alimentam passarinhos e outros animais que vivem na região. Além disso, destaque para os vários tipos de palmeiras, como as belas uriri, rabo de raposa, neomaricas e a açaí (sim, o açaí é uma palmeira!). O projeto de iluminação é da La Lampe.

Jardim Suspenso, por Aurea Renoldi

O jardim é suspenso porque fica na cobertura do apartamento do Casal Jovem. Grande, com mais de 140 m², o espaço – todo gramado – tem plantas desérticas e exóticas como a Aloe, da família da Babosa, tipos raros de bromélias e a yuca (pé de elefante). “Elas são resistentes ao vento e as temperaturas extremas”, explica a paisagista.  Entre os móveis, uma espreguiçadeira que fica à sombra das árvores Nerium, conhecida como Espirradeira, e Pândano.  Áurea também projetou uma parede verde e uma pequena horta onde plantou berinjela, aipo, couve, cebolinha e outros temperos e legumes. Ela coloriu o seu  Jardim Suspenso com uma paleta de cores que vai do vermelho das bromélias ao cinza azulado da yuca. E, claro, com muito verde em volta.

A Casa Cor Rio 2013, no Condomínio FontVieille da Península, inaugura hoje, e fica aberta para visitação de terça a domingo até 18 de novembro, de 12h às 21h, e aos domingos de 11h às 20h.