Momento Península

O primeiro bairro ecológico do Rio de Janeiro está atrás do Maciço da Tijuca e tem vista para a Pedra da Panela, a Pedra do Itanhangá e a Pedra da Gávea. Bem-vindos à Península, o sub-bairro da Barra da Tijuca, que vai sediar a Casa Cor 2013.

A história da Península está vinculada diretamente ao desejo do empresário Carlos Fernando de Carvalho, da Carvalho Hosken, de criar sintonia entre a natureza e o espaço construído. O proprietário do terreno, inspirado por uma viagem a Mônaco e Saint Tropez, imaginava algo parecido com a Riviera francesa para aqueles 750 mil metros quadrados de espaço livre – o equivalente ao tamanho do Baixo Leblon.

Adquirido pela construtora em 1975, foram 17 anos de trabalho e 20 milhões de reais de investimento para revitalizar a orla e o ecossistema nativo degradado. A Península só foi ocupada depois de anos de investimentos no projeto ambiental para a recomposição da paisagem original. Por isso, é um dos poucos manguezais habitados em área urbana no mundo.

Hoje, o bairro tem uma trilha ecológica plana, manguezal e vegetação de restinga, cinco jardins temáticos, dois extensos parques internos e inúmeras espécies arbustivas e frutíferas. Apenas 9% do terreno é composto por edificações. São 64 lotes de terrenos, entre eles os condomínios St Barth, St Martin, Mondrian, Green Lake, Via Privilége, Atmosfera, Life e Fontvielle – esse último, é o que dará espaço a Casa Cor este ano.

Além da beleza natural, a Península também tem um enorme acervo de “beleza construída”. Apaixonado por artes plásticas, o proprietário da Carvalho Hosken investiu 3,5 milhões de reais para povoar os jardins, praças e ruas do bairro com obras de arte. Entre as 127 obras, selecionadas pelo artista e leiloeiro Evandro Carneiro, estão esculturas de Ascânio MMM, Rubens Gerschman, Franz Weissman, Zélia Salgado e Emanuel Araújo. Tudo isso num ambiente privé, para quem mora ou visita esse oásis na Barra da Tijuca.

Ascânio MMM no Green Park