Muito além de só uma fábrica

by Patricia Mayer

Quando o arquiteto e amigo Luiz Fernando Grabowsky nos chamou para visitar a fábrica da Vitra após a semana da Feira de Milão, confesso que imaginei algo totalmente diferente da incrível experiência que tivemos numa bela tarde de primavera européia.

Localizada em Weil am Rhein, na Alemanha, bem próximo à Basel na Suíça, a fábrica dos icônicos móveis e objetos da Vitra é bem mais do que uma linha de montagem e salas de exposição de produtos – como é comum. Na verdade, a empresa que produz a famosa “Lounge Chair” dos designers Charles & Ray Eames, entre muitos outros assinados por famosos designers do mundo inteiro, vem agregando desde a década de 80 ao seu parque industrial, prédios em colaboração com arquitetos mundialmente famosos.

“Lounge Chair” dos designers Charles & Ray Eames

Ali, numa área de cerca de 12 mil m2, está um importante museu de design e pavilhões funcionais assinados por Zaha Hadid, Tadao Ando, Frank Gehry, Álvaro Siza, Jean Prouve, Herzog & de Meuron e Buckminster Fuller – só para citar alguns. “Desde a Weissenhofsiedlung em Stuttgard em 1927, não existe um conjunto em um único lugar de grupos de prédios assinados pelos mais destacados arquitetos do mundo ocidental,” escreveu o crítico de arquitetura Philip Johnson, referindo-se ao Vitra Campus, como o local é conhecido. Apesar de projetos bem contrastantes, eles se incorporam na filosofia da corporação, que não busca nunca uma imagem uniforme, mas apresenta uma variedade de posições no contexto de um projeto. Daí a diversidade de seus produtos.

Grupo em visita ao Vitra Campus (falta o Pedro Guimarães, que tirou a foto!)

O enorme Vitra Campus visto de cima

Conhecer a Vitra é mergulhar no universo do que há de melhor no design, na arquitetura e em cultura— e no Vitra Campus, além de conhecer tudo, ainda existe a possibilidade de interagir nos workshops, cursos, palestras…tudo isso numa fábrica de móveis (na Alemanha, bom lembrar).

Quem costuma ir à Feira de Milão, já tem idéia do que a Vitra é capaz de fazer. Os stands da marca destacam-se pela beleza e harmonia, apresentando todos os seus produtos em ambientes montados—e eles fabricam desde um pequeno objeto como o conhecido pássaro de madeira, até tapetes, camas, estantes e luminárias, sempre peças de design.

“L’ Oiseau”

Além de um museu, considerado um dos principais museus de design do mundo, a Vitra oferece tour de arquitetura, de ambientações, loja e restaurante instalados no seu campus.  Tudo dedicado à pesquisa e apresentação do design passado e presente, e sua relação com a arquitetura, arte e cultura contemporânea. O acervo do Vitra Design Museum, projetado por Frank Gehry, contem uma importante coleção de mobiliário de design produzido industrialmente, uma biblioteca, arquivo de proeminentes designers do passado, como George Nelson, Verner Panton, Alexander Girard e Charles&Ray Eames, além de duas exposições temporárias anuais (essa semana passada estava o arquiteto norte-americano Louis Kahn na exposição “The Power of Architecture”).

Obra de Frank Gehry abriga o Museu Vitra

Exposição temporária no Museu Vitra

 O tour guiado percorre os prédios e pavilhões, que abrigam atividades diversas no Vitra Campus, todos assinados por  ícones de arquitetura. Foi ali que Zaha Hadid realizou sua primeira obra, o Corpo de Bombeiros (Fire Station,  em 1993, após a primeira fábrica ter sido destruída por um incêndio) e que Frank Gehry construiu seu primeiro prédio na Europa, e Tadao Ando projetou o Conference Pavillion, em 1993. A pequena estação de gás é assinada por Jean Prouvé e os galpões da fábrica por Nicholas Grimshaw (1981/1986), Frank Gehry (1989) e Álvaro Siza (1994).

 Obra de Zaha Hadid abriga o Vitra Fire Station

No Vitrahaus, incrível prédio assinado por Herzog & de Meuron, além de um restaurante/lanchonete e de uma loja Vitra, percorrem-se ambientes montados com todos os produtos Vitra e até uma linha de produção para o cliente acompanhar a customização de uma cadeira  Charles Eames…

Obra de Herzog & de Meuron abriga o Vitrahaus

Interior da Vitrahaus

É mais do que uma visita a uma fábrica, bem dizer. Vi design, arquitetura, lindas ambientações. Se tivesse mais tempo, ou morasse por ali, ainda poderia ter me tornado uma “member” do museu e assim participar de palestras e debates. Uma verdadeira imersão no assunto, uma visita imperdível. Obrigada, Luiz Fernando, pelo convite especial.

Nosso grupo: Patricia Quentel, LuizFernando Grabowsky, Patricia Mayer, Pedro Guimarães, Laura Bessa (representante da Vitra no Brasil), Rita Tristão (Casa Cor Espírito Santo e Casa Cor Pernambuco) e Mr. Fehlbaum, o dono da Vitra, com sua filha.