La mode et la modernité

O impressionismo marcou a história do modernismo por ser um movimento antenado, visionário e ousado. Seus integrantes eram (majoritariamente) homens a frente de seu tempo, aquilo que chamamos de “avant-guarde”. O que poucos sabem, é que esses pintores não só tinham visão para arte, mas também,  acreditem, para a moda.

A exposição “Impressionism, Fashion, and Modernity” , que será inaugurada amanhã no Metropolitan Museum of Art (MET), em Nova York, explora justamente esse tema. Qual foi o papel da moda no trabalho dos impressionistas? Através de oitenta quadros, lado a lado a figurinos da época de 1860 até meados de 1880, o MET aproxima esses dois elementos tão fundamentais das obras do modernismo.

Esse período foi justamente o que consagrou Paris como a capital mundial da moda, com a chegada das lojas de departamento, a criação do prêt-à-porter e a difusão das revistas femininas. Não a toa, era aonde moravam os maiores nomes do impressionismo: Monet, Degas, Manet e Renoir – que retratavam em suas telas o figurino contemporâneo como peça central (e fundamental) da produção de arte. Os personagens que pintavam, refletiam verdadeiramente o espírito da época, e o estilo da elite.

Abaixo, um gostinho do que a exposição mostrará entre os dias 26 de fevereiro e 27 de maio deste ano:

Chez la modiste” – Edgas Degas (1884)

La dame aux éventails” – Edouard Manet (1873)

“Madame Georges Charpentier et ses enfants” – Auguste Renoir (1878)