Em clima de despedida

A animação de todos foi contagiante

Foi no mínimo desafiador participar desta edição da Casa Cor Rio. Sem dúvida, o casarão onde aconteceu o evento é lindo, mas estava bem abandonado, com paredes descascadas, tábuas soltando no chão, buracos no teto…  “Foi tudo muito instigante. Todos nós ganhamos espaços detonados, ou seja, tivemos o mesmo grau de dificuldade para trabalhar. Foi interessante ver as soluções que cada um deu para a realização do seu projeto “, diz Gisela Taranto que assinou o premiado Lounge do Hotel.

Harmonia, integração, engajamento, amizade.  Nos bastidores o clima foi de entrosamento total. “Foi um dos eventos mais bacanas que participei porque todos estavam animados, todo mundo se ajudando e cooperando para tudo dar certo”, comentou Lia Lamego que, com a sócia Fernanda Mancini, projetou a Cozinha.   O arquiteto Thoni Litsz, que assinou o  Estúdio do Chef, também elogiou a solidariedade entre os participantes e a qualidade dos projetos. “O imóvel é maravilhoso, mas estava realmente acabado. Isso fez com que todos dessem o seu melhor. O resultado foi fantástico!”, diz.

O simpático garçom Alessander O. Santos, que trabalhou no Flash Back Bar, elogiou o clima alegre que tomou conta do evento. “É muito bom participar de uma equipe em que todos estão empolgados com o trabalho. A gente acaba se divertindo muito”, disse. Um dos mais animados ontem e sempre foi o eletricista Antonio Carlos Cuduh que bateu ponto na Casa Cor Rio todos os dias da exposição.  “É meu segundo ano trabalhando no evento e acho sempre maravilhoso. Especialmente esse ano nesta casa fantástica”, disse Seu Carlos, como ficou conhecido entre todos os participantes.

A escolha da casa, segundo todos, também foi um dos pontos fortes do evento. “De fora, a gente não tem dimensão do tamanho do casarão. É impressionante, assim como a beleza da sua arquitetura e a vista panorâmica das janelas, de cara para a Baía de Guanabara. As organizadoras foram muito felizes na escolha”, afirmou a arquiteta Andrea Chicharo, que fez a Sala de Convivência.

A paisagista Maritza Orleans Bragança, que aproveitou para lançar seus jardins portáteis, estava feliz porque vendeu quase todas as peças da sua Varanda. “Lancei um conceito novo, o das esculturas que abrigam jardins, e a Casa Cor Rio foi o nosso melhor termômetro. Saímos daqui com a certeza de que as pessoas realmente gostaram da novidade”, comemorou.

A arquiteta Isabela Augusto de Lima, que assinou o projeto da loja Villa Home 90, diz que participar da Casa Cor é sempre um bom termômetro.  “Ela abre portas não só para os arquitetos como para os fornecedores também. Os clientes querem ter, por exemplo, a mesma cadeira que usamos no nosso projeto na Casa Cor. Só por estar ali, na exposição, para eles já é um atestado de que o produto tem qualidade”, afirma.   Gustavo Orlean, da Orlean, uma das empresas patrocinadoras do evento,  concorda com Isabela. Mesmo antes de o evento acabar os papéis de parede e painéis usados pelos arquitetos na mostra já tinham virado best seller nas suas lojas. “Todo o ano é assim.  Ainda hoje, as pessoas procuram papéis de parede que viram na Casa Cor há dois anos atrás. É incrível a repercussão”, elogia.

O arquiteto Fábio Bouillet, autor junto com Rodrigo Jorge, do Estúdio High Tech, contava quantas vezes já participou do evento, oito no total.  “É bom ter essa continuidade. A cada edição que participamos atestamos o amadurecimento do nosso trabalho e fortalecemos a nossa marca ”, avaliou ele, que gostou do elenco escolhido para fazer parte do evento este ano. “Um mix perfeito entre estreantes e veteranos ”, disse.  Veterano na mostra, o arquiteto Carlos Murdoch também elogiou a presença de novos nomes. “Foi refrescante ter tantas caras novas, deu fôlego novo ao evento”, acredita ele que assinou a Sala de Jogos junto com Luciana Sodré e Georgia Mantovani.

A arquiteta Luciana Arnaud foi uma dessas caras novas, assim como seus sócios Mariana Dornelles e Fillipi Sartori, que criaram a Joalheria. “A gente se divertiu muito e, de quebra, vimos nosso trabalho ser reconhecido. Não podia ser melhor!”, disse rindo. A arquiteta Juliana Vasconcelos, da Loja da Casa, foi outra profissional que estreou na mostra carioca. Ela, que já participou de edições da Casa Cor Minas, foi só elogios ao evento do Rio. “É uma mostra extremamente bem organizada, com uma curadoria muito forte que conferiu uma unidade interessante a toda a exposição. Amei ter participado”, conta.

Beto Figueiredo também. Sócio do badalado escritório Ouriço Arquitetura junto com Luiz Eduardo Almeida, ele participou pela primeira vez da Casa Cor Rio com um dos espaços mais visitados do evento, o premiado Flash Back Bar. “Gostei de tudo, do clima de cooperação entre os arquitetos e, principalmente, da liberdade que tivemos para criar um ambiente do jeito que a gente queria, sem  os limites que o cliente normalmente impõe. Foi uma experiência única. Principalmente,  porque fizemos um espaço que as pessoas usaram, frequentaram e curtiram”, concluiu. É fato: quem foi curtiu muito a Casa Cor Rio 2012!.

Patricia Mayer, Isabela Augusto de Lima e Andrea Chicharo

 

Maritza de Orleans e Bragança e Fábio Bouillet

 

Gustavo Orlean

 

Thoni Liszt, Isabela Augusto de Lima e Gisele Taranto

 

Carlos Murdoch, Luciana Sodré e Lia Lamego

 

Beto Figueiredo e Andrea Chicharo

 

Patricia Mayer e Márcia Muller

 

Beto Figueiredo e Luiz Fernando Grabowsky

Luciana Arnaud e Mariana Dornelles

 

Alessander O. Santos

 

Pedro Henrique, Patrícia Mayer, Beto Figueiredo, Patrícia Quentel, Márcia Muller e Luiz Fernando Grabowsky

 

Antonio Carlos Cuduh, o Seu Carlos

Luiz Fernando Grabowsky, Paula Neder, Angela Falcão e Thoni Liszt

 

A equipe da 3 Plus, produtora da Casa Cor Rio

A equipe da 3 Plus, produtora da Casa Cor Rio