Cheia de Luz

É dela toda a iluminação do Hotel Fasano, em Ipanema, dos luxuosos salões do Copacabana Palace, do Hotel Marina, no Leblon,  do Museu do Futebol, em São Paulo, e dos mais badalados shoppings cariocas, como o Fashion Mall e o Rio Design. Leva a sua marca a luz do Teatro Municipal. Em breve, o Museu da Imagem e do Som, projetado pelo arquiteto americano Diller Scofidio, também vai ter projeto assinado pela designer. Até o seu nome é iluminado. Monica Luz Lobo é hoje uma das mais importantes profissionais de lighting design do Brasil e a mais badalada internacionalmente.

 

Igreja da Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores

Ela foi a primeira ligthing designer do país a ganhar um prêmio internacional, o IESNA (Iluminating Engineering Society of North América), pelo trabalho de iluminação da Igreja da Lapa dos Mercadores, no Centro do Rio _ projeto de 2000. Seis anos depois, recebeu mais duas premiações: o Prêmio de Mérito do Iald e o Prêmio Paul Excelência em Iluminação Externa, também do IESNA. Ambos pela nova iluminação da igreja de São Francisco de Assis, em Pampulha, Minas Gerais, projeto arrojado de Oscar Niemeyer.

 

Projeto de iluminação da fachada do Theatro Municipal

Em 1997, abriu o LD Studio  (Lighting Design Studio), no Rio de Janeiro, parceiro de importantes nomes do design e da arquitetura mundial, como o francês Philippe Starck e o brasileiro Henrique Mindlin, e também de escritórios de arquitetura internacionais, como o canadense Designcorp.

 

Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé

Monica conta que só há muito pouco tempo a profissão de lighting designer vem ganhando destaque no Brasil. “É um trabalho importantíssimo. A iluminação confere personalidade ao projeto de arquitetura. Ela o revela. A luz cria hierarquia, conduz os nossos olhos. A iluminação projeta um novo olhar sobre a arquitetura”, avalia.

Museu do Futebol