MODA x ARTE

Seria a moda, uma categoria das artes plásticas? É uma questão que os museus e instituições culturais estão abordando com bastante freqüência. Cada vez mais espaços de exposições são dedicados a renomados estilistas, com curadoria de especialistas não em moda, mas em arte.

Pode se dizer que trazer a moda para o museu já virou uma tendência. Alguns pensadores criticam esse tratamento da moda como a arte, mas os grandes museus internacionais como o Metropolitan Museum of Art (MET), em Nova York, e o Centre Georges Pompidou, em Paris, já constaram que os grandes estilistas merecem sim espaço em suas concorridas salas de exposição.

Aqui no Brasil, a moda também pegou. Em 2009, o Centro Cultural Banco do Brasil RJ recebeu a mostra “Yves Saint Lauren – Viagens Extraordinárias”, exibindo uma retrospectiva dos 40 anos de carreira do estilista icônico. Depois do Rio, uma versão mais ampla da exposição esteve no belíssimo Museu de Belas Artes do Petit Palais, em Paris.

“Yves Saint Lauren – Viagens Extraordinárias”, no CCBB-RJ (2009).

“Yves Saint Lauren – Retrospective”, no Petit Palais, em Paris (2010).

No momento, em São Paulo, a exposição “Moda no Brasil: Criadores Contemporâneos e Memórias” está em cartaz no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado. Com criações de Alexandre Herchcovitch, Lino Villaventura, Gloria Coelho e Reinaldo Lourenço, a exposição faz um breve percurso da história da moda do país. Destacando os grandes nomes da moda brasileira, a exposição traz à tona a importância que esses estilistas têm no mercado nacional e internacional. Não há dúvidas que merecem tamanho destaque…

“Moda no Brasil: Criadores Contemporâneos e Memórias”, no Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado, em São Paulo (em cartaz).

Enquanto esse movimento está apenas começando no Brasil, os Estados Unidos já é referência no assunto. O MET virou até case de sucesso com suas duas exposições importantes recentes, destacando Alexander McQueen em 2011 e Miuccia Prada agora em 2012. E o interesse do público ficou claro. Exemplo disso é que 662 mil ingressos foram vendidos para a mostra do consagrado McQueen – foi a oitava exposição mais vista da historia do museu. E olha que o museu existe desde 1946…

“Alexander McQueen: Savage Beauty”, no MET, em Nova York (2011).

“Schiaparelli and Prada: Impossible Conversations”, no MET, em Nova York (2012). 

Também em Nova York, o centro cultural Queen Sofia Spanish Institute expos em 2010 setenta peças históricas do estilista espanhol Cristobal Balenciaga. O idealizador da exposição foi ninguém menos do que Oscar de la Renta, fã declarado do estilista conterrâneo. As peças expostas contavam a historia dos anos de ouro da grife, de 1937 a 1968.

“Balenciaga: Spanish Master”, no Queen Sofia Spanish Institute, em Nova York (2010).

Já em São Francisco, outra grande exposição comemora o trabalho de Jean Paul Gaultier no museu De Young. Chamada “The Fashion World of Jean Paul Gaultier: From the Sidewalk to the Catwalk”, a exposição reúne 140 modelos haute couture e prêt-à-porter do estilista francês, criadas entre 1970 e 2010. Além de peças, vários croquis, documentos de acervo e fotografias também estão em exposição.

“The Fashion World of Jean Paul Gaultier: From the Sidewalk to the Catwalk”, no De Young, em São Francisco (2012).

Que venham outras, o público agradece!